Poesia · Uncategorized

Fosse Eu e Eu

 width=

Eu sonhei com seres que caminhavam nas nuvens, conversavam com as estrelas, dormiam na lua e acordavam no sol.  Eu sonhei que sonhava. Que se eu fosse um tesouro de valor inestimável, permaneceria escondido pra não desgraçar ninguém com tanta riqueza. Porque não há ouro que valha a paz. Não há prata que supere o sossego trazido pelo desinteresse alheio. Nem pedido de autógrafo que deseje tanto quanto a solidão na multidão de rostos. Melhor é nada ter a dar que tudo ter de dividir. Melhor ainda é muito dizer sem nada ter que responder. Ao menos se dorme. Ao menos se diz. E me tens por o cristão mais secular que conheceste, quando, na verdade, jamais conheceste secular tão cristão. Mas se eu fosse teus olhos, olharia para o vinho nesta mesa solitária, permitindo que o brilho escuro da garrafa atraísse forte uma língua com garganta vermelha. Seduz-me pela indiferença. Tuas armas são sangue e crueldade. Onde estão guardadas todas as palavras de amor que nunca dirás? Teus fetiches são os teus únicos afetos? Forte, seria tua saliva, brota da intensidade dos teus desejos insanos, beijando o céu da boca e me escondendo por horas em todos os cantos do teu paladar. Deixarias-me ver tuas veias, bebendo continuamente do teu sangue, fazendo-o correr mais grosso e caudaloso como água barrenta que força passagem pra ir parar numa curva sinuosa, reunindo-se num canto pra fazer margem onde as árvores darão galhos pra pousar um anu? Sim, as dobradiças rangem onde o óleo seca e não se tem mais graxa. Voa a águia livre pelo espaço enquanto eu tenho que andar neste duro chão com pesadas correntes. E tu ris da fúria que sai dos meus poros só por toda ela ser produção irrestrita da tua beleza selvagem. Mas e se eu fosse tua boca, tomaria um gole lento deste néctar da melhor uva, saboreando devagar o que carvalhos duros demoraram anos pra dar valor e vigor. Ah, se eu fosse teus pés, andaria descalços, sentindo a terra entre os dedos, dançando no asfalto, correndo até corpo desfalecer, sustentando todo peso com beleza e prazer, e quando viessem a dor e o ardor, eu me riria com o cuidado das tuas mãos. Que se eu fosse tua pele, me agarrava mais firmemente aos ossos, cartilagem e pêlos, e todos os órgãos seriam uma coisa só. Rejeitaria sedas finas, lubrificantes, amaciantes, perfumantes por toda espécie de alergia, aceitaria com cheiro de fêmea, quereria sempre crua e nua, rústica e descabelada, suada com as gotas da sua água salgada de tão doce mel expulso por alguma incontinência. Mas, ah! Ah, se eu fosse tuas mãos… Ou se eu fosse tu, mas não sou. Teus tremores têm mais som, tuas palavras têm menos letras e maior significar, tua voz ecoa mais longe; os teus risonhos, lindos campos têm mais flores, os teus bosques têm mais vida, tua vida nos teus seios mais amores, porque é muito mais que eu. Eu? Sou só um homem que talvez, um ou outro dia, foi um dos teus milhões de pensamentos. Passando como um vulto fantasmagórico. Tão insignificante quanto estas palavras que jamais lês, relês. Só não deixo de sonhar. Com seres que caminham com teus pés, conversam com tua voz, dormem com teu corpo e acordam com teus beijos.

Anúncios

2 comentários em “Fosse Eu e Eu

  1. Muitas vezes é no silêncio que encontram-se os mais puros e cálidos sentimentos, pois quando a alma sente, a boca cala. Especialmente se agir pelo que é certo, mesmo sendo difícil. A felicidade das pessoas que amamos de todo coração torna-se-á nossa, ainda que talvez nem participemos diretamente. Foi o amor de Cristo que nos uniu. E, é nEle que nós cristãos devemos permanecer.
    Aaah esses últimos versos ein… Poeta! Só uma observação.: Nem sempre o me imaginamos, condiz com a realidade e de insignificantes suas palavras não têm nada eee perdoe se com minha reflexão fui invasiva, é que sinto-me em casa por cá. Casa que você andou mexendo pelo que venho observando rs. Vou parar de amolar, por hora, tenha uma excelente semana Waldir!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Que palavras lindas, Mayara. Mereceria um post. Quanto à observação, “obrigadíssimo”. E você nunca me amola, pelo contrário, sempre produz novo ânimo. Saber que posso te ler e que quando escrevo posso ser lido por você, minha cara amiga, é sempre um prazer enorme. Embora desafiador também. Sobre o meu canto aqui, rs, dei uma mudada, cansei daquela cara encarcerada e também do logo e toda a bagunça de categoria que não estava dando muito certo. Espero que tenha gostado. Forte abraço, Mayara, tenha uma linda semana também. 😀

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s