Poesia · Uncategorized

O pingo do i

  Nestes baldes de faíscas Ainda corre sangue glacial Em veias incendiárias imunes À cusparada de dedos!?   É bom acreditar Saber estar imperturbável Antes durante depois das guerras Sem tremores em meio as feras   Mas é da sintomatologia   Desse eu atenção aos velhos Não tentaria ser Exegeta Dos Apocalipses. Anúncios