Crônicas · Poesia

Esqueci

maxresdefault (1).jpg

Eu liguei e alguém me perguntou: Qual o seu nome? Eu esqueci. Eu esqueci o meu próprio nome. E fiquei tentando lembrar. Quase dez segundos. E falava é, é, hum, é, bem, é, eu me chamo… Isso é um erro, ei, escute eu nunca me chamo. Isso é loucura, os outros é que me chamam, e eu não lembro do que os outros me chamam. Você é outra, me chame, vá logo, caramba, me chame aí do que me chamam. Lembrei. Lembrei. É Waldir, é Waldir, eu gritei. WALDIR! Eu me chamo Waldir, não, não, vocês me chamam Waldir, eu não me chamo de nada a não ser eu. Só que ela insistiu. E qual a sua data de nascimento. Que que é isso? Esqueci também. Não lembro o dia que eu nasci. E alguém lembra? Disseram-me que nasci algum dia aí e eu acreditei. E se erraram? E se não nasci naquele dia e nasci em outro? Diante de tal dúvida, disse qualquer dia. Não aceitaram o qualquer dia e me disseram que a ligação iria ser encerrada porque eu não era eu. E eu agora não sou mais eu. Quem eu sou, então, se eu não sou eu? Ficarei sem ser? Até quando? Eu gostaria de voltar a ser o que sempre fui mas ninguém permite. Seja isso, não seja aquilo.

Mas eu lembrei. E gritei. Eu nasci no dia que nasci. É nesse dia. E liguei de novo. Veja, moça, eu nasci nesse dia que era pra eu nascer e que diz minha certidão aí ó. Viu, eu não estava mentindo, é só que eu não lembrava e inventei. Mentira é quando você lembra e inventa, quando você não lembra e inventa eu não sei o que é. Provavelmente invenção.  E o seu endereço, Senhor? Vixi Maria, pra que tanta pergunta, mulher? Endereço? Mas onde diabos eu moro? É isso que você quer dizer que é endereço? Desligou de novo. Eu não sei meu endereço. Não adiantou eu dizer que moro em algum lugar. Eu sou um corpo, mulher. Tenho que estar em algum lugar, e se sou morador de rua? O Senhor precisa dizer onde mora? Moro na rua? Não, aqui diz que você mora numa casa que tem um número e fica numa determinada rua. Se eu soubesse, falaria. Não sei. Está aí na sua tela. Diga-me você. Não posso é sigilo. Sigilo contra o próprio interessado? Eu já não disse tudo sobre mim. Não, falta o endereço. Esqueci. Esqueci não é endereço. Ligue mais tarde quando lembrar.

Eu lembrei nada. Fui à rua. Olhei pro portão e anotei o número. Fui na esquina e anotei o nome da rua. Interroguei a vizinha. Escuta, mulher? Que cidade é essa, hein? Qual o cep dessa rua? Ela riu, e não me respondeu. Tive que perguntar na outra rua. Um senhor bêbado logo de manhã me respondeu. E me abraçou, começou a chorar. Ah que coisa. Por favor me ajude, quero parar de beber. De beber. Falei pra ele, esqueça. Esqueça e vai esquecer até da bebida. Cheguei em casa. Havia um homem dentro. Quem é você? Eu? Sou seu irmão? O quê? Irmão? Eu sou filho único? Você só pode estar de brincadeira. Suma daqui ou eu chamo a polícia. Ele saiu meio assustado. Um cachorro estava latindo próximo demais. Parecia que estava no meu quintal. E estava mesmo. Ei, ei, cão, quem que te colocou aqui? Anda, responde animal?

Esqueci dele e me lembrei de ligar. Senhor, esse endereço está correto. Mas vai precisar repetir todos os dados de novo. Ah, não. Ah, não. Desliguei e fui acessar a net. Tentei diversas vezes lembrar onde é que eu tinha um blog. Foi difícil. WordPress. Só que esqueci usuário e senha. A sorte que tinha salvo na área de trabalho algo como senha do blog. Aí lembrei. Ou será que olhei e por isso pensei que lembrei. Eu lembrei. Claro que lembrei. Fui eu que fiz a senha, oxent. Agora estou aqui. E vi gente falando aí, um monte de coisa. Vi um recado de alguém que parece me conhecer. Vou ficar lendo aqui e tentando lembrar em como era minha vida antes de ter esquecido tudo. Eu acabei de ler dois textos meus. Francamente, esse eu de ontem, anteontem e do ano passado é um completo idiota. Acho melhor realmente deslogar disso e esquecer.

Anúncios

4 comentários em “Esqueci

  1. Eu ia fazer um comentário sobre esse brilhante texto, mas esqueci.
    Peraí, peraí… lembrei: “rararará!”

    PS: gostei especialmente de dois trechos: em que o esquecido manda o bêbado esquecer e em que ele cobra do cão “responde, animal”, rsrsrs…

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s