Humor · Recanto das Letras

Nomes estranhos e situações igualmente (Republicação)

Pobemático Aquino Brazil foi trabalhar descalço. Berebaz Nabundá Kahida, secretária onde ele trabalhava, estranhou. Por que isso, Seu ticão? Faço Yoga na “Idiotas e Energúmenos também sentem e sentam” e meu professor, Fumador di Hervas da Ninhas, recomendou-me isso para sentir o contato do mundo e me libertar da dor e da ex-mulher.

Assim Pobemáticão entrou no escritório e foi fingir que trabalhava. Recebeu telefonema duas horas depois sem ainda ter feito nada que precisava, inclusive entregar relatórios atrasados há meses, pois estava acessando o Recãtu das Bhestas, tentando responder comentários muito mais idiotas que seus textos, sem parecer indelicado:

Alô?! Bom dia! Aqui quem fala é Medúzia de Lorotas da oficina “Eñganna Trôxa” O Senhor é Problemão? Não, Pobemático! Ah sim, Anaufabeto Revisteiro Broninha deve ter errado o cadastro. É que seu carro está pronto, pode buscar. Quanto? Mil e duzentos e dois falsos! Ai, ai, ai. Mas não era só pra trocar o óleo e não falei isso mil vezes? Sim, mas encontramos diversos problemas sem nome a dar facilmente que o Senhor não pediu para encontrar, e que não estamos nem aí, pois se não pagar não vai ter o carro de volta, e consertamos.

Saiu do escritório, passando pela secretária, – enquanto esta também fingia que trabalhava mas conversava animadamente com a amiga do facebook Tratamossua Estria – dirigiu-se a pé até a rua Aquijá Morreumile Vaimorrermaismil e: encontro acidental. Kathmandu Ucêtomá Vwergoña, amiga inteligentíssima da faculdade que ele não terminou, o cumprimenta. E aí Pobremaço! Quanto tempo. Pois é, Kath. Por que descalço? Já contei em parágrafo anterior. Kath achou ele louco e para se desfazer rapidamente antes de maiores danos, finalizou. Nossa, preciso mesmo ir cuidar das miosótis. Adeus! Pobemático não ligou pois estava querendo logo buscar seu carro e os tempos da faculdade eram muito vergonhosos para querer se lembrar.

Chegando à oficina, Medúzia o levou até a sala de espera, apelidada internamente de “Hainda Numfizemos Nhada”. Nesse ínterim, enquanto esperava as chaves do carro, conheceu Nununo Nenana, que estava na mesma situação, um pouco pior: pois seu carro havia ficado em dois mil falsos, quando só havia pedido para um “amigo” guardá-lo até o dia seguinte. Depois de muitas conversas, Nununo passou o Telefone de Bruninha Zerozerosete, especialista em assuntos contraditórios, para ajudá-lo com sua ex-mulher e suas crises psicóticas.

Saiu da oficina, depois de ser roubado, e ligou imediatamente para a especialista. Alô, eu recebi indicação, queria que você me ajudasse. Sim, é assunto conjugal? Conjugais… Neste caso vai lhe custar 7 mil falsos. Nossa, tudo isso. Oras, quer ou não? Quero. Mas qual vai ser a solução? Bananas, meu caro. Bananas. Para esse assunto não há solução a não ser muitas bananas de dinamite. Depois saberá pelo noticiário. Qual o endereço? (…) Tchau que tenho mais o que fazer. Deposite na conta que lhe passei.

Depois de fazer a transferência no Banco Milmeu Étrêsseu à especialista, chegou no hotel “Pobrenum Hentra” para almoçar, pois vivia ali depois de ser expulso de casa por dois amantes musculosos de sua ex-mulher a pontapés, foi conversar com o porteiro “Wldiz Besteirha Senfim”. Alguma novidade Zé ruela? Ah, sim. Sua ex-mulher passou aí para pegar o dinheiro de pagar a academia dos dois amantes dela. Ficou muito brava por não ter deixado comigo e o ameaçou severamente. Diz ela que a academia “Bõmbadas e Bõmbados Semcerebelo” não aceita atrasos. Esquece isso! Hoje ela vai ter uma surpresa. Foi até a cozinha apelidada pelos externos de “Resthus di Onthem” e serviu-se.

Logo sentou-se ao lado dele um conhecido hóspede. Amigaçus Sumidus. E aí caríssimo. cumprimentou o conhecido. Já viu aquele porteiro? Cara besta do caramba. Quer me levar à Igreja o Imbecil. Ele chama de Igreja, mas lá no nosso grupo chamamos de Dizimadora S/A. kkkkkk. Legal, não? Que achou dessa piada? Boa não? Nada disso Pobemáticu ouviu. Acabara de lembrar-se de ter dado o endereço do hotel para a especialista (praticava tentando decorar, porque tinha problema de memória). O estrondo foi ouvido há quilômetros. Morreram todos e o prédio “Engineiro Assinô Semvê” caiu, facilmente.

Publicado originalmente no Recanto das Letras em: 21/11/2015

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s